Antioxidantes fortes versus radicais livres

Você já ouviu falar muitas vezes sobre os radicais livres e antioxidantes. Mas você sabe qual papel eles desempenham nas doenças e no processo de envelhecimento? E por que o corpo necessita de muitos antioxidantes para manter uma boa saúde por um longo tempo e qual é a fonte mais valiosa dessas substâncias benéficas?

Os radicais livres são produtos do metabolismo que, sob condições específicas, podem aparecer na produção de energia pelo corpo humano. Os radicais livres surgem no corpo quando é exposto a toxinas ambientais, incluindo a luz solar, produtos químicos ou fumaça de cigarro. Eles também podem ser o efeito da inflamação causada pelo esforço físico, radiação ou processos metabólicos naturais.

A relação dos radicais livres com o envelhecimento do corpo foi descoberta em meados do século XX. Os radicais livres são compostos de moléculas com escassez de elétrons. Portanto, eles coletam elétrons ausentes de outras moléculas que estão próximas. Esta reação é referida como oxidação. Quando os radicais livres captam elétrons de proteínas ou gorduras no corpo, as estruturas celulares e o DNA são destruídos, o que leva à degradação do tecido.

Antídoto para os efeitos nocivos dos radicais livres são os antioxidantes (micronutrientes), que atuam como “doadores de elétrons”, neutralizando os radicais livres. Se o corpo não tem antioxidantes suficientes, os radicais livres causam danos acelerados aos tecidos e órgãos, o que cria o risco de muitas doenças.

Efeitos nocivos da acumulação de radicais livres

A superlotação de radicais livres conduz a doenças crónicas, incluindo a aterosclerose, degeneração celular, os níveis de açúcar no sangue anormais, dor nas articulações, distúrbios cardiovasculares, doenças inflamatórias e doenças degenerativas. O estresse oxidativo é a principal causa de morte celular, especialmente as células nervosas e o cérebro, que são muito suscetíveis à oxidação devido à sua alta taxa metabólica.

O envelhecimento acelerado do corpo e os danos aos nervos, à medula espinhal e ao cérebro estão intimamente ligados ao dano oxidativo do DNA e ao nível insuficiente de antioxidantes.

O corpo possui um mecanismo interno de defesa que neutraliza os radicais livres. No entanto, muitas toxinas e exposição a fatores prejudiciais podem resultar em uma maior eficiência das forças de defesa naturais. Portanto, devido às condições ambientais atuais, recomenda-se tomar doses adicionais de antioxidantes na forma de suplementos dietéticos. De acordo com a opinião dos especialistas, que pode melhorar significativamente a protecção das células do corpo, a abrandar o processo de degeneração, prolongar a vida e reduzir o risco de doenças degenerativas do sistema nervoso.

Um conjunto de antioxidantes naturais

O oxidante mais conhecido e comumente encontrado é a vitamina C. Além de suas propriedades antioxidantes, possui uma ampla gama de benefícios para a saúde. A vitamina C é um antioxidante solúvel em água, mas sua forma especial chamada Life-C mostra uma biodisponibilidade muito melhor e permanece na corrente sanguínea duas vezes mais longa. Uma forma especial de vitamina C, em combinação com ervas caracterizadas por um elevado teor de antioxidantes e cogumelos medicinais (espinheiro mar, acerola, Camu Camu, Ashwagandha) – foi encapsulado suplemento alimentar denominado IMMUNE+++. O espinheiro-mar é uma planta rica em nutrientes que cresce nas regiões do norte da Índia, que é caracterizada por alto teor de carotenóides e é um antioxidante lipossolúvel. Os antioxidantes lipossolúveis são muito importantes na proteção contra o estresse oxidativo. hippophae também contém uma grande quantidade de vitamina C. naturais A composição do suplemento alimentar é ainda mais enriquecida por três cogumelos medicinais tradicionais, que são preferidos para a protecção das células nervosas e fornecem apoio imune.

Um sistema imunológico forte protege eficazmente o corpo contra doenças e ameaças com os externos. Os antioxidantes naturais e concentrados ajudam a fortalecer o sistema imunológico e combatem os radicais livres, que agora são conhecidos por causar o efeito destrutivo do estresse oxidativo.

Partilhe a sua opinião...